A Importância Do Feedback Positivo No Ténis De Campo

O feedback positivo poderá ser um paradigma teórico importante, no qual tem contribuído consideravelmente para uma comunicação globalizada do mundo competitivo desportivo. A finalidade do feedback positivo consiste em analisar os princípios comportamentais de produtividade e de rentabilidade do atleta, de forma caracterizar as suas áreas fortes, previamente adquiridas pelas competências performativas desportivas dos próprios atletas, ao longo do seu ciclo de desenvolvimento de metodologia de treino. Estudos científicos sobre o feedback positivo ainda são pouco expressivos em relação à modalidade do ténis de campo. No campo da psicologia comportamental integrada no desporto competitivo, destaca-se o constructo da resiliência, que poderá ser definida por uma capacidade de desenvolvimento de resistência psicomotora do indivíduo relativamente à competição, perante situações iminentes de derrota, ou acontecimentos que tornam o ciclo competitivo do atleta desastroso, perante uma desestruturação das condições complexas de alta competição, derivadas muitas vezes de lesões ou traumas de derrotas com adversários extremamente competitivos em muitos casos. Tecnicamente a resiliência é a habilidade do ser humano de saber lidar ou superar as adversidades competitivas, através de um processo de ensino aprendizagem de correção de erros técnicos- táticos, e até mesmo transformar-se a partir dos imprevistos inevitáveis de derrota em vitórias. Tal capacidade de proteger-se de situações negativas, exige um conjunto de handicaps estratégicos de jogo para que um atleta, ou grupo de atletas possam prevenir primariamente dos efeitos prejudiciais causados pelas adversidades competitivas. Com base neste contexto, o constructo da resiliência questiona as principais características psicológicas dos atletas, segundo as contribuições comunicativas baseadas entre os diálogos do treinador e o atleta em função simbiótica de uma área psicológica positiva denominada coaching. Os principais aspectos referentes ao feedback positivo deve-se muitas vezes à resiliência psicológica do atleta que se caracteriza muitas vezes por fatos históricos, que sejam capazes de dar uma reviravolta sobre a evolução de um quadro situacional negativo de competição, de forma tentar superá-lo para uma vitória durante um ambiente hostil.

Palavras-Chave: feedback positivo , Construto da Resiliência, Resiliência Psicológica, Comunicação.

Christopher Brandão, 16 Maio 2019


17-05-2019, 09:20
A Importância do treino do footwork

A coordenação é a capacidade motora que promove a habilidade psicomotora mais importante no ténis competitivo, apesar do treino da capacidade da força nos últimos anos possa ter destacado pela sua importância, ao nível da grande potência dos variados gestos técnicos, atualmente desferidos no ténis de alta competição. A movimentação dos apoios denominados por um trabalho de footwork, traduz uma realidade diferenciada, que continua sendo a fronteira que separa os jogadores de top do ranking ATP dos demais. A coordenação pode ser definida como uma habilidade simples ou complexa de se movimentar, parar ou mudar de direção em prol de uma motricidade aleatória ou sequenciada através de um timing correto de preparação biomecânica do corpo, para uma melhor execução de um gesto técnico.

Relativamente ao planeamento de uma metodologia de treino, baseada num conjunto de exercícios orientados para o treino da capacidade da coordenação, deve-se reproduzir padrões psicomotores de movimentos biomecânicos similares aos que são executados durante o jogo, num princípio baseado na especificidade. A qualidade de uma sessão de treino, tem como objetivo final de demonstrar determinados padrões de movimentação standard que são utilizados pelos jogadores profissionais, com a intenção de demonstrar alguns exemplos de exercícios que podem ser executados, permitindo assim um rendimento da performance, consoante a eficiência dos padrões utilizados de base, que muitas vezes são sincronizados em 3 passos fundamentais, para uma boa movimentação dos apoios no campo ténis nomeadamente:

-Split step que consiste em criar um momento correto de abaixar o corpo pela ação da flexão dos joelhos que por sua vez provoca um determinado ground reaction da zona plantígrada das palmas dos pés, empurrando um dos apoios na direção da bola. O timing das impulsões é essencial e deve acontecer antes do adversário realizar o contato com a bola.  Os passos laterais desenvolvem a consciência cinestésica essencial, enquanto os passos cruzados recuperaram após o golpear da bola com um gesto técnico, estando o atleta o mais perto possível da linha de fundo. O passo transversal ajuda o jogador na velocidade da lateralidade e na rapidez, onde a componente chave de uma habilidade defensiva se encontra dependente do aumento da capacidade de mudança de direção bastante eficaz para distâncias curtas.

O jogador deve recuperar rapidamente ao centro do campo após uma batida de uma bola aberta, onde é considerado um dos movimentos biomecânicos mais importante, atendendo que exige um enorme grau coordenativo, onde é necessário combinar os movimentos simples e complexos. O membro inferior numa situação de movimento em abdução durante o gesto técnico de direita, o jogador desacelera o movimento rebatendo o corpo para uma mudança de direção, geralmente recorre a um passo cruzado que posteriormente leva à descida do seu centro de gravidade em direção ao membro superior esquerdo, de forma a finalizar com um passo lateral que permita a recuperação plena do jogador ao centro do campo, para que esteja preparado para o próximo batimento de bola. Este é considerado um movimento básico de padrão assumido por norma pelos atletas profissionais, cuja a eficiência economiza passos e aumenta a velocidade de deslocamento do atleta, na eventualidade do jogo ser competitivo, é necessário que o atleta tenha a intenção de se deslocar mais para o centro do campo através de uma ação realizada por uma motricidade de passos laterais, economizando 4 a 5 passos para a sua recuperação, gastando assim menos energia e ganhando mais tempo para uma certa eficácia cinesiológica baseado numa menor economia de esforço de jogo.

Perante todo o quadro situacional mencionado anteriormente, existe um conjunto de 3 exercícios fundamentais para o desenvolvimento dos apoios do footwork, nomeadamente exercícios que podem desenvolver a capacidade motora da coordenação e da força ao nível da musculatura necessária, para que o tenista aprimore a sua capacidade de recuperação em jogo deverá realizar uma metodologia de treino em várias sessões de:

1-Movimentação em 8

Colocar 2 cones a uma distância entre 3 a 5 metros. Iniciar pelo cone da frente considerado o primeiro, onde se deve movimentar com passos laterais, sem encostar um membro superior no outro membro durante o exercício, dando a volta por trás do cone oposto. Repetir o exercício dando a volta por trás do primeiro cone. Continue até completar o número necessário de repetições de forma a certificar a manutenção da posição postural flexionada a partir da articulação dos joelhos e do quadril.

2- Movimentação em V

Colocar 3 cones formando um triângulo a uma distância de 3 a 4 metros entre os cones para o jogador começar atrás de um cone, de forma a realizar um split setp a correr, dando a volta ao cone que se encontra à direita. Retornar ao cone inicial de forma realizar outro split step de forma correr no cone que se encontra mais à sua esquerda. O jogador deve continuar até completar o número necessário de repetições de forma a certificar se a sua postura mantém flexionada com a flexão das articulações dos joelhos e do quadril.

3- Passo cruzado no T

Usando a área de serviço, o jogador deve iniciar a corrida na linha do T de forma haja uma corrida lateral até à linha de simples, como se fosse executar uma espécie de rebatida. Deve pisar a linha e retornar cruzando o primeiro passo e utilizando um segundo passo lateral, tentando chegar novamente à linha do T. Deve continuar até completar o número necessário de repetições necessárias de forma a certificar–se de sua manutenção postural flexionada das articulações dos joelhos e quadril. Deve começar a treinar de um lado, por exemplo da direita e seguidamente treinar o outro apoio. Após dominar a técnica, deve repetir o exercício fazendo uma recuperação ativa com passos cruzados dentro das linhas da área do serviço.

 Christopher Brandão, 2019

28-05-2019, 11:50
A prevenção primária de lesões no Ténis, será a melhor solução?

Algumas regras básicas do ténis moderno durante o tempo de prática, eventualmente existe uma enorme probabilidade de acabar em lesões complexas, devido à falta de conhecimento da biomecânica da modalidade. Uma das maiores preocupações do tenista, será a lesão da articulação do cotovelo, denominada por ténis elbow, oriunda de diversas causas possíveis, para o desenvolvimento da própria patologia. As prevenções das lesões em geral, não podem ser evitadas pela má execução biomecânica dos gestos técnicos da modalidade, ou por uma simples queda no campo. As torções dos membros inferiores acontecem, por não terem controlo sobre elas, eventualmente muitas outras lesões podem ser evitadas, se os atletas forem mais atentos e preventivos com o seu próprio sistema locomotor.

Em princípio o atleta mesmo amador, necessita mesmo de saber a verdadeira informação técnica performativa, para poder jogar adequadamente, nem que seja pelo puro lazer. O tênis mantém a hemostasia psíquica e física num todo, que por sua vez funciona como uma terapia de compensação das próprias adversidades do jogo. Perante este quadro situacional, é válido afirmar até um certo ponto, que um sistema de preparação corporal seja mais adequado às exigências biomecânicas da mobilidade, de forma poder reequilibrar o desgaste das articulações que toda a modalidade produz.

O tênis exige bastante do aparelho locomotor e do sistema cardiorespiratório vascular, por ser uma modalidade desportiva assimétrica, com piques de aceleração curtos e rápidos, baseados numa metodologia de treino interval training.

A instalação de uma lesão não se dá subitamente, ela é o resultado de uma combinação de pequenos fatores, que ao longo do tempo têm a potência necessária para criar uma patologia grave e outras vezes vai-se empurrando a situação recorrendo a anti-inflamatórios relaxantes e musculares.  Não temos a cultura desportiva necessária para cuidar a compensação dos desgastes causados pela prática, mas é necessário a formação em saúde que crie hábitos saudáveis nos indivíduos. O ser humano, é um ser que vive em rotinas padronizadas, com pouco espaço para o seu desenvolvimento psicomotor. Não ter hábitos saudáveis e viver cada dia de uma forma diferenciada, não nos dá as raízes necessárias para a consistência de realizar feitos gloriosos em diversas áreas competitivas. É necessária uma prática paralela à atividade desportiva, realizada em campo de forma regular, para manter distante as lesões do aparelho locomotor. Não existe uma receita mágica para uma boa prática biomecânica e performativa, embora não precisa ser tão extensa e proporcional ao tempo que se passa em campo jogando. A maior dificuldade está na instauração do hábito desportivo contínuo, que depende essencialmente do tempo despendido no jogo propriamente dito.

O fator fundamental para prevenir as lesões, é uma prática concomitante ao desporto, destinada a reequilibrar a musculatura, os tendões, as articulações e o alinhamento postural da coluna vertebral. A escolha mais apropriada ao perfil do atleta, inclui-se numa rotina de uma boa metodologia de treino, que deverá ser realizada em duas a três vezes por semana, num tempo mínimo de meia hora, será suficiente. Um trabalho semanal auxiliado por um profissional de exercício, também poderá ser uma boa solução, para um bom condicionamento cardiovascular, que por sua vez protegerá o órgão do coração e melhorará a oxigenação dos tecidos durante a prática, além de auxiliar na recuperação do organismo no período pós-prática.

 Devemos evitar os excessos de exercícios para os atletas amadores, que têm uma tendência ao fanatismo e com muita frequência se lesionam, por forçar demais o corpo. É preciso aprender a dosear a prática e colocar-se à escuta do próprio corpo, para saber quando é o momento exato da pausa ou do descanso. O organismo precisa de um tempo para reequilibrar-se metabolicamente e estruturalmente após o esforço. Antes que esse processo se complete, o jogador durante o aquecimento à volta do campo tem a probabilidade de se lesionar, na eventualidade do organismo não estiver totalmente recuperado. Cada atleta tem um tempo específico de recuperação, que varia segundo a sua própria morfologia física, condicionada à intensidade do esforço que foi realizado.

Aprender a ouvir o corpo, é algo importantíssimo para o desenvolvimento da sensibilidade do atleta, ao sono e à alimentação. Para muitas pessoas, estes aspetos de saúde podem parecer algo surreal, sem ligação direta com a prevenção de lesões, mas na realidade encontram-se intimamente ligados. Um organismo bem hidratado e bem alimentado com alimentos que nutrem o corpo ao nível da quantidade certa, provoca as melhores condições de funcionamento ao nível do repouso e do esforço. O sono é algo crucial, e quando não se dorme o tempo suficiente, a qualidade fica seriamente prejudicada porque não se dá as condições de regeneração necessárias, para que o organismo possa recuperar do cansaço, no qual deixa o atleta vulnerável e sensível. Na hora de uma maior exigência de prática desportiva, será mais susceptível a lesões.

A boa biomecânica auxiliada por um bom material desportivo, é uma caraterística específica essencial à modalidade, se na eventualidade existir uma falha biomecânica, a orientação técnica de um professor é essencial para a correção dos movimentos repetitivos incorretos, que não sejam o início de uma futura lesão. Mesmo para aqueles atletas que não teêm uma boa biomecânica, os treinadores devem estar atentos aos vícios que podem ser adquiridos ao longo das suas carreiras desportivas, para que futuramente possam ser corrigidos e evitados oportunamente. O equipamento desportivo também é um fator fundamental pela sua importância de evitar a sobrecarga na coluna e nas articulações, por exemplo um par de tênis específico e uma boa raquete com a empunhadura correta realiza a pressão ideal na corda da raquete e ao mesmo tempo o anti vibrador embora o seu uso protetor seja indiscutível, a sua função de amortecimento da bola seja eficaz ao amortecimento.

Christopher Brandão, 2019

 

17-09-2019, 15:13

Sobre mim

é um clube que aposta na massificação jovem de forma possa adquirir um quadro de referencias de jogadores mais competitivos

Contatos

Email
Mensagem

cedore

é um clube que aposta na massificação jovem de forma possa adquirir um quadro de referencias de jogadores mais competitivos